noComentários

Gerando renda passiva: saiba sobre risco, liquidez e rentabilidade para ganhar mais dinheiro

Diversificar suas fontes de renda é fundamental para você atingir suas metas financeiras mais rápido. Saiba como obter maiores retornos com dicas simples e práticas!

Enfim você tomou a decisão de fazer o seu dinheiro render mais para aumentar sua qualidade de vida, multiplicar seu patrimônio e atingir o seu primeiro milhão.

Mas já deve ter percebido que gerar renda passiva envolve muito mais do que escolher a melhor corretora de investimentos e ter a disciplina necessária para controlar seus gastos e aplicar seus recursos com foco e determinação.

Entender fatores como risco, liquidez e rentabilidade pode ser decisivo para o seu sucesso financeiro. Por isso, elaboramos este artigo, no qual você vai saber, de forma prática e objetiva, quais são os passos necessários para atingir seu primeiro milhão de reais, sem recorrer a fórmulas milagrosas ou incorrer em riscos desnecessários. Boa leitura!

Tríade dos investimentos

Investir bem envolve equilibrar de maneira adequada três características-chave de qualquer aplicação na sua carteira: risco, liquidez e rentabilidade. Essas características são tão importantes que acabaram ganhando o nome de “tríade dos investimentos” entre os especialistas do mercado financeiro.

Basicamente, podemos descrever cada uma delas da seguinte forma:

  • risco: é a possibilidade de você sofrer uma perda patrimonial durante o prazo da aplicação, ou seja, é a chance de você perder dinheiro;
  • liquidez: é a facilidade com que você consegue resgatar seus recursos ou converter um investimento em dinheiro;
  • rentabilidade: é o prêmio que você recebe pelo risco corrido em um investimento e pelo prazo em que deixou seu dinheiro aplicado.

Com base na definição acima, podemos perceber uma coisa clara: a rentabilidade de um investimento tem relação direta com seu risco e liquidez.

Mas você deve estar se perguntando: como eu posso avaliar o risco de uma operação?

Bem, os especialistas costumam separar os investimentos em duas grandes classes principais: crédito (empréstimo) e participação societária (equity).

Quando você compra um título público, como Tesouro Direto, ou um título privado, como uma debênture, está basicamente emprestando dinheiro para os emissores desses papéis, em troca de uma remuneração que será paga no final do prazo acordado. O seu risco nessa operação é, portanto, o risco de crédito, ou seja, a capacidade do devedor de honrar a dívida que contraiu com você.

Já quando você adquire uma ação na bolsa de valores ou resolve investir em um imóvel ou estabelecimento comercial para renda, o seu risco é o de performance do empreendimento, isto é, sua capacidade de entregar os resultados projetados.

Também é muito importante avaliar a liquidez de cada investimento, já que você deve exigir retornos maiores para operações em que seja mais difícil resgatar ou converter a aplicação em dinheiro.

Como montar uma carteira diversificada

Uma boa diversificação requer o balanceamento adequado dos três fatores que compõem a tríade dos investimentos.

Por exemplo, a sua reserva de emergência, que é uma poupança equivalente a três ou seis meses dos seus custos fixos — como prestação da casa própria, plano de saúde, mensalidade da escola dos filhos, etc. —, precisa ter segurança e liquidez. Portanto, é natural que você deixe de ter uma rentabilidade maior para obter esses dois benefícios.

Depois que você formar sua reserva de emergência, pode buscar uma rentabilidade maior com aplicações mais arriscadas e líquidas, como a bolsa de valores, bem como operações com maior expectativa de retorno, porém sem liquidez imediata, como o investimento direto em um projeto da economia real.

Qual seu objetivo de investimento?

Antes de começar a investir e montar um portfólio diversificado com foco na geração de renda passiva, é importante que você defina muito bem os objetivos que deseja alcançar.

Portanto, faça uma lista das metas financeiras que você deseja alcançar e pense em qual parcela do seu orçamento seria direcionada a cada um deles, tais como:

Gerar renda passiva e ganhar seu primeiro milhão

Ter fontes de renda passiva é fundamental para você multiplicar seu patrimônio e atingir seu primeiro milhão de reais.

Para isso, é indispensável que você aceite um grau maior de risco ao investir e, muitas vezes, abra mão da liquidez para fazer seu dinheiro trabalhar e gerar mais retornos para você no médio e longo prazo.

Entre as opções de investimento ideais para alcançar esse objetivo estão as ações e fundos de renda fixa e variável, como os multimercados, cambiais (moedas fortes) e imobiliários.

Você também deve optar por investimentos diretos na economia real, como imóveis para renda e participação societária em negócios com excelentes perspectivas de retorno.

Veja como e por quanto tempo investir para ganhar seu primeiro milhão de reais:

Pagar uma viagem ou um imóvel

Agora, se você deseja fazer uma viagem para o exterior, seja para estudar ou mesmo viver momentos inesquecíveis com a família, é muito importante que você se planeje para os custos que terá que arcar fora do país com hospedagem, seguro-saúde, lazer, gastos do dia a dia, etc.

Para tanto, abra uma conta em uma corretora de câmbio digital e vá adquirindo aos poucos a moeda do país para onde deseja viajar. 

No caso do dólar americano, evite realizar compras no fim do mês, pois é o período em que os bancos e agentes econômicos costumam calibrar suas posições, gerando muita variação cambial, o que pode acabar prejudicando o seu preço médio de aquisição.

E quando falamos em comprar um imóvel, seja para uso familiar ou geração de renda, existem várias opções que podem ajudar você a gastar menos para realizar esse objetivo.

Se você já tiver um imóvel para oferecer como garantia em um empréstimo, pode fazer um refinanciamento imobiliário e obter taxas de juros mais baixas e um prazo muito mais longo para pagar.

Mas se você deseja ter imóveis como fonte de renda passiva complementar, sem a dor de cabeça de construir e administrar, pode investir em fundos imobiliários que façam distribuição mensal de dividendos aos cotistas, como fundos de lajes corporativas e fundos logísticos.

Diversos bancos e corretoras oferecem carteiras recomendadas de fundos imobiliários para renda se você não quiser ter o trabalho de ficar pesquisando sobre seus administradores.

Outra opção é participar de captações de crowdfunding focadas em geração de renda com imóveis, como aquisição, reforma e aluguel de apartamentos de alto padrão em grandes centros econômicos do país.

Observe, no entanto, que os fundos imobiliários são negociados na bolsa de valores e, portanto, podem sofrer variações naturais de preço. Já o crowdfunding não sofre com as oscilações do mercado financeiro, porém não tem a mesma liquidez dos fundos imobiliários.

Dessa forma, procure diversificar suas aplicações em cada categoria, buscando sempre gestores reconhecidos pelo mercado e com bom histórico de realizações.

Esperamos que, com essas dicas, você consiga se planejar melhor para acumular um bom patrimônio nos próximos anos e atingir a qualidade de vida que sempre sonhou para si e sua família.

Responder