noComentários

Qual a tendência do mercado imobiliário para 2022?

Não há como negar que a pandemia afetou todos os setores, dentre eles os de aluguel de máquina de solda ou de compra e venda de casas, apartamentos e terrenos. E é justamente sobre o mercado imobiliário que falaremos aqui.

A realocação das pessoas, das grandes cidades para regiões mais afastadas só se intensificou ao longo dos últimos anos. Mas há várias outras que precisamos ficar de olho. Quer entender melhor? Então, vem com a gente!

A busca por moradia se tornou mais digital

A pandemia acelerou a digitalização em todos os setores, desde blindagem de carros a mangueira de incêndio e o mercado imobiliário não é exceção. Com isso e o competitivo mercado, alguns interessados compraram ou alugaram suas casas sem, de fato, conhecê-lo pessoalmente. Muitos conseguiram fazer um tour virtual pela propriedade devido aos recursos virtuais, como:

  • Passeios 3D;
  • Vídeos de drones;
  • Encenação virtual.

As pesquisas on-line por esse tipo de ‘visitação’, que estavam em alta mesmo antes da pandemia, dispararam em 2022. Profissionais do ramo dizem que seguirá assim por vários anos.

Empresas imobiliárias on-line permitiram que os vendedores de imóveis procurassem listagens, entrassem em contato com agentes imobiliários e pesquisassem opções de imóveis durante a pandemia.

Para somar a essa novidade, outras marcas oferecem opções de passeios em 3D, usando óculos de realidade aumentada. Com o objeto é possível ‘conhecer’ apartamentos já mobiliados ou galpões para armazenamento de câmaras de refrigeração, por exemplo.

Os millennials, que são notórios por sua dependência das mídias sociais, recorrem à tecnologia para aprender mais sobre os vizinhos, as ruas e os comércios, antes de assinarem os contratos.

Tudo isso é um facilitador, pois com o acúmulo de tarefas a serem feitas ao longo do dia, fica quase impossível um colaborador pegar o carro e se encaminhar para o local que poderá ser seu novo lar.

As pessoas estão se mudando das cidades grandes para o interior

Outro detalhe trazido pelo COVID-19 foi a migração das pessoas de grandes centros para cidades do interior. A tendência de optar por não viver nas capitais pode persistir, principalmente pelo custo de vida mais barato e toda tranquilidade advinda de regiões com menos de 200 mil habitantes. 

Por último, mas não menos importante, as regiões menores são um destino atraente devido aos impostos mais baixos e aos preços de aluguel e moradia atrativos. Isso tudo é tão fundamental para o dia a dia de uma família, quanto uma caldeira Industrial para a calefação ambiental.

Fortes tendências habitacionais da nova geração

A demanda pela necessidade de imóveis aumenta quando temos ciência de que a nova geração está numa fase que deseja sair da ‘aba’ dos pais e viver suas vidas. Aqueles que desejam comprar sua primeira casa ou começar uma família também estão estimulando o crescimento do setor. 

Dito isso, fica claro que a tecnologia chegou para ficar e que a automação pede passagem, a passos largos, para facilitar nossas vidas! Gostou do conteúdo sobre as tendências do mercado imobiliário para 2022? Se gostou, não se esqueça de enviar para os seus amigos e compartilhar em suas redes sociais, até a próxima!

Responder